Opinião: A maior limitação ao aprendizado online pode ser nossa imaginação

Opinião: A maior limitação ao aprendizado online pode ser nossa imaginação

Este texto foi escrito por Ron Stefanski, diretor executivo de vendas e marketing da Centric Learning, e publicado originalmente em inglês no site Crain’s Detroit Business.

-

À medida que deixamos nossa imaginação fluir em relação ao próximo ano letivo, precisamos nos perguntar: vamos ver as crianças recebendo uma boa educação ou elas vão ficar para trás?

Entre os pais que equilibraram as demandas de trabalhar remotamente tendo os filhos sob sua responsabilidade e, muitas vezes, viram-nos desanimados depois de horas na frente do computador, muitos concluíram que a educação online não funciona.

Mas isso é verdade?

Se seu filho passou horas sem interrupção na frente de um computador, ele até pode ter assistido ao professor e à aula no Zoom, mas não estava necessariamente experimentando o aprendizado remoto. Desde que a educação online surgiu, a tecnologia e as ferramentas multimídias evoluíram, transformando o ensino remoto em uma atividade mais envolvente. Uma metodologia de ensino inovadora, apoiada por crescentes melhores práticas têm tornado o ensino remoto mais eficaz.

Portanto, se existe uma preocupação sobre o aprendizado remoto ou se ele vai aumentar as desigualdades educacionais, talvez precisemos nos perguntar: como podemos acelerar o aprendizado para preparar as crianças para o mercado de trabalho global e conectado em que viverão?

Conversamos com alguns especialistas que deram as seguintes soluções para uma educação online que funciona: 

  • Envolver os alunos diretamente em sua própria aprendizagem, ajudando-os a pensar de forma independente.
  • Despertar a curiosidade natural e o apetite pelo aprendizado dos alunos.
  • Adaptar o ensino às necessidades dos alunos e usar abordagens alternativas criativas.
  • Cultivar relacionamentos e ajudar as crianças a fazê-lo.

É dessa maneira que o verdadeiro aprendizado online acontece. 

Com a pandemia, o mercado passou a oferecer várias opções de aprendizagem online e a tendência é que novas opções ainda surjam como maneira de atender às necessidades dos estudantes. Uma opção que tem crescido são as micro schools, em que grupos reduzidos de alunos recebem aulas, muitas vezes em suas próprias casas, de um professor ou tutor especializado. Assim como essa, novas alternativas inovadoras surgirão unindo educação com tecnologia e uma visão de futuro. 

Pesquisas mostram que um adulto médio mantém sua capacidade de atenção por 20 minutos. Se for verdade, como podemos esperar algo diferente para os alunos mais jovens? Ainda assim, em muitos casos, deixamos os professores, sem treinamento ou orientação, para recriar um ambiente de aprendizagem online eficaz em pouco tempo.

Também estamos ouvindo alertas sobre falta de igualdade durante a transição para o aprendizado online. Inúmeras escolas identificaram problemas na implementação da aprendizagem online para todos os alunos, especialmente aquelas em regiões mais remotas ou pobres, em que os alunos não têm acesso a equipamentos apropriados ou internet de banda larga. No entanto, há uma questão de igualdade muito mais sensível que aprendizado online pode realmente nos ajudar a resolver:

Menor incidência de racismo nas escolas
Desde que "A Nation at Risk" foi publicado pela primeira vez, algumas escolas ainda veem lacunas de desempenho significativas entre os alunos negros. Claramente, vários fatores em jogo contribuem para o racismo sistêmico nas escolas.

Maior tempo de dedicação às tarefas escolares
Como meu colega Caesar Mickens, ex-administrador das Escolas Públicas de Detroit, aponta, a chave para resolver a lacuna de desempenho é aumentar o "tempo na tarefa". Em termos mais simples, gastar mais tempo aprendendo e estudando leva a melhores resultados. Então, como o aprendizado online pode ajudar a fechar essa lacuna de desempenho? Para os alunos que estão ficando para trás, acelerar o aprendizado aumentando seu tempo na tarefa é a chave.

Gamificação como alternativa ao maior engajamento
Ao aplicar a gamificação na aprendizagem, toda uma indústria se formou em torno do desenvolvimento de programas que apresentam uma dinâmica semelhante a um vídeo game, envolvendo os alunos em atividades por horas a fio. Esses recursos online podem ser eficazes para que os alunos permaneçam envolvidos por mais tempo e comecem a se atualizar e progredir.

Aprendizagem por projetos
Outra área extremamente promissora para aumentar e manter o envolvimento dos alunos inclui a aprendizagem baseada em projetos, que muda o paradigma educacional e se concentra em como os alunos aprendem. Em vez de memorizar fatos específicos do assunto, os alunos recebem uma série de questões motivadoras, que são solucionadas pelo desenvolvimento de projetos. Por meio de atividades guiadas, trabalhando com o professor como um guia especializado e facilitador, os alunos são impulsionados pelo próprio desejo de aprender. Em vez de testar os alunos quanto à aprendizagem do tema com provas, os alunos criam projetos que demonstram seu domínio. Eles são avaliados por sua competência, ao invés de sua retenção ou tempo em sala de aula. O resultado: maior envolvimento e aprendizagem em todo o currículo.

Quando pensamos nas opções para envolver os alunos, uma coisa fica clara. A eficácia do aprendizado online pode ser limitada apenas pelos limites de nossa imaginação, e não pela tecnologia. À medida que os alunos passam mais tempo aprendendo em seus próprios termos, podemos imaginar a educação de forma diferente.

Nossa criatividade em encontrar novas maneiras de oferecer uma educação de alta qualidade pode vir a ser o maior avanço que vemos durante esta pandemia. Imagine isso.